Notas

O projeto Cinuem estará suspenso nas próximas quintas-feiras, dias 3 e 10, por causa das férias letivas. As exibições retornam no dia 17, com o filme O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Szangerla (1968). Os comentários ficarão sob a responsabilidade da professora do Departamento de Ciências Sociais da UEM, Zuleika Bueno, e do professor de História da Rede Pública, Cássio Marcelo Alves.

No dia 24, será a vez do filme Sexo por Compaixão, de Laura Maña (2001), com comentários dos professores do Departamento de Psicologia, Gustavo Adolfo. R. Mello Neto e Viviana V. Martinez.

Fechando o mês, no dia 31, haverá a exibição do documentário Do luto à Luta: um novo olhar sobre a Síndrome de Dawn, de Evaldo Mocarzel (2004). A professora do Departamento de Teoria e Prática da Educação, Nerli Nonato Mori, fará os comentários.

As exibições acontecem no Auditório Ney Marques, às 18h30.

A UEM está preparando o X Encontro Maringaense de Biologia e a XXIII Semana da Biologia, que serão realizados de 14 a 19 de setembro. Na programação, diversos minicursos, palestras, oficinas, mesa-redonda e apresentação de trabalhos científicos. Os temas são relacionados às faces do desenvolvimento sustentável.

Os interessados em inscrever trabalhos devem enviar o resumo até 4 de agosto pelo site www.dbi.uem.br/emabi2008. Eles devem ser nas áreas de Biologia Celular e Genética, Bioquímica, Botânica, Ecologia, Fisiologia Humana e Animal, Morfologia Humana e Animal, Saúde, Zoologia e áreas afins. As inscrições somente para participação já estão abertas e podem ser feitas até 14 de setembro, com valores diferenciados até 8 de agosto.

A promoção dos eventos é do Departamento de Biologia, com apoio do Mudi, Cacibi, Nupélia, DBC, DBQ, DCM e CCB. Outras informações na secretaria do DBI, Bloco H-78, fone 3261-4312 ou pelo site acima.

 

A UEM teve dois trabalhos contemplados com o segundo lugar no Prêmio Henri Nestlé. O resultado foi divulgado no dia 20. O primeiro deles, resultante de parceria entre a Zootecnia e a Química, foi premiado na área Tecnologia e Bioquímica de Alimentos. Intitulado Farinha Aromatizada a Partir de Carcaças de Peixes para Alimentação Humana, foi desenvolvido pelo egresso do curso de Zootecnia, Leandro César Godoy, orientado pelos professores Maria Luiza Rodrigues Franco, Nilson Franco, Jesuí Visentainer e Nilson Evelázio de Souza.

Outro trabalho foi premiado na área de Nutrição Clínica. Intitulado Avaliação dos Parâmetros Corporais e Nutricionais de Ratos Submetidos a Treinamento Físico e Dieta de Cafeteria, foi desenvolvido por Mayara Franzoi Moreno, da PUC Paraná, sob orientação da professora da UEM Solange Marta Franzói de Moraes. 

O Curso de Odontologia da UEM, por meio do Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (Pró-Saúde), angariou R$ 100.000,00 para a ampliação e reforma da Clínica Odontológica do Ney Braga. Além disso, o projeto Pró-Saúde vem equipando esta unidade com materiais permanentes e de consumo, que estenderá o atendimento odontológico aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Esta clínica tem cinco cadeiras odontológicas, uma sala de raio X e outras dependências. O espaço será um campo de estágio para os acadêmicos de Odontologia da UEM.

A inauguração da clínica, na Unidade de Saúde Ney Braga, será realizada na terça-feira (1º), às 9 horas.

 

A UEM conquistou recentemente 15 novas Bolsas de Produtividade da Fundação Araucária. Somando-se às anteriores, a UEM conta com 122  pesquisadores com esse benefício. Os novos bolsistas são os professores Alexandre Florindo Alves, Elisa Yoshie Ichikawa, Kátia Schwan-Estrada, Ronald Barth Pinto, Luiz Felipe Machado Velho, Osvaldo Albuquerque Cavalcanti, Thais Aidar de Freitas Mathias, Mônica Lúcia Gomes, Celene Tonella, Mário de Azevedo, Mauro RAvagnani, Nádia Fernandes Machado, Renilson Menegassi, Gleb Germanovitch Doronin e Cláudio Celestino de Oliveira.

A Exposição Moda Japonesa com Olhar da Modernidade será realizada de 3 a 14 de julho, no Museu da Bacia do Paraná, na UEM. Serão apresentadas 13 propostas de indumentárias criadas e executadas pelos alunos do curso de Design de Moda da Universidade Tecnológica Federal do Paraná em Apucarana (UTFPR). A mesma mostra foi vista em Apucarana e Londrina, em comemoração ao centenário da imigração japonesa.

As professoras que orientaram os alunos explicam que, durante muito tempo, a moda no Japão foi o quimono, símbolo de uma cultura que valoriza o coletivo. Hoje em dia, no Japão, no dia-a-dia, é usado pelos mais velhos e em cidades do interior. Em ocasiões especiais, o quimono ainda é a estrela. Há um verdadeiro ritual para vesti-lo, que demora até uma hora. As solteiras usam o furisodê, com mangas largas e longas. As casadas vestem o tomesodê, com mangas mais curtas. Os homens podem vestir o haori (espécie de sobretudo) com hakama (tipo de calça longa) para ocasiões formais. Oyukata é unissex e pode ser usado em casa ou em festas de verão.

Os trajes que serão mostrados no museu da UEM partem de uma composição inspirada nos quimonos, nos desenhos de mangas e no anime, como uma visão da juventude que estuda a tradição integrando as novas tendências.

A iniciativa conta com apoio da UEM e da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura/Diretoria de Cultura.

O horário de visitação é das 8 às 11 e das 14 às 17 horas, de segunda a sexta-feira. O museu agenda visitação de grupos também à noite. Os interessados devem ligar para o fone 3261-4294.